domingo, 16 de março de 2014

Novamente a avaliação de máquinas e equipamentos

O nosso artigo de hoje é um “update” do que escrevemos em setembro de 2011, quando falamos de avaliação de máquinas e equipamentos.

Na altura definimos, de acordo com a International Valuation Guidance Note 3- Valuation of Plant and Equipment (Revised 2005), definimos o conceito de máquinas e equipamentos:

“Machinery: Individual machines or a collection of machines. A machine is an apparatus used for a specific process in connection with the operation of the entity. Equipment: Other assets that are used to assist the operation of the enterprise or entity.”

Falamos também de duas metodologias para a sua avaliação:

-Informações de mercado obtidas, por exemplo, em feiras e leilões, devidamente homogeneizadas;
-Aplicação do método de Ross-Heideke, em que o coeficiente de depreciação ajusta o valor de mercado do bem. 

Gostaríamos no entanto de clarificar que não são as únicas metodologias para a avaliação de máquinas e equipamentos, Assim sendo, temos:

-O método da linha reta que prevê uma depreciação linear, ou constante, do bem ao longo do tempo, até que esse atinja o fim de sua vida-útil, onde lhe restará apenas o “seu valor residual
-O critério de Kuentzle também é conhecido como “método da parábola”. Nele, a depreciação não é constante, como na linha reta, mas os seus pontos de extremos são os mesmos.
-O método de Cole ou da soma dos dígitos
-Fundo de amortização.

Refira-se que o critério de Ross-Heidecke é o primeiro a considerar o fator estado de conservação.



Fonte:  Avaliação de máquinas e equipamentos – Uma abordagem pelos métodos da depreciação e comparativo, por  Athos Ubirajara da Frota Silva – athos@atspericias.com.br, Auditoria, Avaliações e Perícias de Engenharia, Instituto de Pós-Graduação e Graduação – IPOG 


Reacções:

0 comentários:

Enviar um comentário